Canil South Louisiana
As origens do "bouledogue" permanecem incertas. Segundo o cinólogo N.M.Martin, seria essa raça francesa obtida por cruzamentos, empregando cães de uma variedade pouco conhecida, mas freqüente em alguns subúrbios de Paris, e reprodutores importados da Bélgica. Através de uma seleção cuidadosa teriam sido obtidos, com o correr do tempo, exemplares que permitiram fixar a raça.

O "bouledogue" não seria mais que uma raça antiga, originária da França, embora somente desde há um século exista na sua forma atual. Durante o século XIX não havia carregador, cocheiro ou açougueiro dos bairros baixos de Paris que não possuísse o seu "dogue".

Nas "places de combat", o passatempo preferido dessa gente consistia em fazê-los combater em sangrentos torneios. Segundo vários autores ingleses, pelo contrário, o "bouledogue" descenderia do bulldog, a típica raça britânica.

Essa hipótese, que também explicaria o termo "bouledogue", que adapta ao francês o nome bulldog, enuncia-se deste modo: nas ninhadas inglesas de bulldog , seguidamente apareciam exemplares perfeitamente dentro do padrão, mas de dimensões muitíssimo reduzidas e peso muito leve (entre 9 e 11 quilos), chamados "miniatura", e que constituíam uma variedade à parte.

Esses "bulldogues pequenos" foram exportados, principalmente à Normandia. Ali, com fins utilitários, haveriam iniciado uma criação especializada, tendente a obter uma raça que conservasse as características do bulldog e possuísse, além disso, as qualidades específicas dos "raitiers", ou cães de ratos, graças à intervenção de sangue terrier.

Tron, grande criador de bulldogues ingleses e destacado estudioso referente à raça, discorda dos franceses e sustenta a teoria inglesa, isto é , que o pequeno bulldogue não é autóctone da França, mas uma derivação do bulldo "miniatura", com a colaboração de várias raças, que teria permitido substanciais modificações físicas e também psíquicas que diferenciam notávelmente ambos os tipos.


Tenha seu próprio site